Luz acessa e a perda de peso

porJeronimo Molina

Luz acessa e a perda de peso

Nem todos conhecem o programa de emagrecimento Vigilantes do Peso. Esse programa foi criado no final dos anos 1980 nos EUA para auxliar pessoas a perderem peso. Em outras palavras é um negócio que auxilia você a ficar em forma. Existem núcleos do Weight Watchers em diversas partes do mundo incluindo o Brasil.

Diferente de outros programas que tem por foco a nutrição, o objetivo do Vigilantes é uma reorganização alimentar com uma mudança no pensamento. Dessa forma o programa fortalece laços através de reuniões semanais. A participação nas reuniões é mediante um pagamento mensal no qual são informados detalhes como obter uma redução de peso.

Por estar presente em diversos países a Vigilantes cria programas para os mais variados públicos, desde pessoas que não tem tempo, até programas em casa, entre outros. Foi pensando nisso que a Vigilantes da Austrália começou uma nova campanha para seu novo programa, que é no mínimo ousado.

Sob o nome de Weight Watchers Black o programa tem por objetivo deixar as pessoas mais magras para elas fazerem sexo melhor. De acordo com o site da empresa, milhares de mulheres australianas não fazem sexo por terem medo de seu corpo. Dessa forma o nome “black” foi escolhido, por se tratar de uma nova forma de trazer uma “nova luz” sobre esse tema.

A campanha de marketing utilizada foi enviar para formadores de opinião um lâmpada dentro de uma caixa preta com um pequeno texto que menciona que “diversas mulheres tem evitado o sexo porque estão preocupadas com sua aparência” e “este globo é uma luz de humor desenvolvida para dar uma melhorada na cama (um brinquedo sexual adulto, se quiser)”.

Até parecia uma boa ideia. Somente parecia. A empresa foi duramente criticada na internet pela campanha e pelo programa. Muitas das críticas foram devido a forma como foi tratado o tema, alegando que mulheres com sobrepeso não poderiam fazer sexo de “luz acessa”. Vários comentários no Twitter levavam isso em consideração, além de ter sido entregue a lâmpada para formadoras de opinião.

Para contrapor as críticas a Vigilantes da Austrália conduziu uma pesquisa juntamente com a Maidstone Consulting no qual mostrou que um quarto das australianas evitavam sexo devido aquilo que pensavam do seu próprio corpo. “Estas novas estatísticas sublinham como a confiança no corpo pode afetar o prazer de muitas formas na vida de uma mulher, incluindo a satisfação sexual”, disse no estudo Nikki Goldstein, uma sexóloga consultada.

De toda forma um programa de perda de peso que não leve em conta outros fatores da vida de uma mulher (ou homem) além do sexo é no mínimo duvidoso. Atrelar o corpo de uma pessoa com essa evitar o sexo é no mínimo curioso. Até porque a auto-estima indifere da forma como o mundo enxerga a pessoa, e sim da forma como ela se enxerga.

Portanto pouco importaria o corpo se a pessoa estiver bem consigo mesma, sendo que dessa forma poderia fazer de luz acesa, apagada ou como preferir.

Sobre o Autor

Jeronimo Molina administrator

Deixe uma resposta