Caxias do Sul, RS
54 | 981001395
contato@jeronimo.co

Surfar conforme a opinião alheia

#RSdeNovoGrande

Surfar conforme a opinião alheia

“Nos últimos anos no Brasil vimos o crescimento de ideias de direita”. Garanto que você já deve ter lido uma frase semelhante em algum lugar, em algum canto por aí. E por incrível que pareça isso é verdade. Com os escândalos de corrupção e a má gestão na área econômica por parte do PT fez surgir por todo o canto movimentos e formadores de opinião ligados a direita. Agora, nem todos esses movimentos ditos liberais são de fato liberais, mesmo sendo de direita.

Na verdade nosso país sempre teve aspectos conservadores, ou seja, aqueles que reforçam as tradições, o status quo. Seria isso errado? De todo não. Cada um tem uma visão de mundo e devemos aceitar todas as visões. No entanto diversos grupos se utilizam do nome liberal para atrapalhar ainda mais a conturbada a visão política do brasileiro, se aproveitando dos aspectos naturais de nossa sociedade.

Mas o que é liberal?

Antes de falarmos em liberal primeiro precisamos entender e compreender quais são os grupos políticos existentes hoje. Existe um vídeo muito bom do canal Plano Piloto que demonstra o conceito básico de espectro político. Nele vemos que a política é muito mais que direita e esquerda. Este conceito foi trazido pelo cientista político Norberto Bobbio, um aclamado estudioso no assunto.

Ele acreditava que não exista mais o conceito de direita e esquerda, e sim um apanhado de ideias intrincadas e sendo que estas constroem o pensamento político de uma determinada faixa da população. A este conjunto de pensamentos dizemos que se chama ideologia.

Cada pessoa tem uma ideologia própria, com aspectos determinados por conceitos mais profundos ainda que são os valores. Estes são construídos de acordo com sua história de vida, o lugar onde mora, a educação de seus pais, o conhecimento passado por professores, etc.

https://www.youtube.com/embed/5xekqWxzHbc

Em outras palavras, o conceito antigo de direita e esquerda acabou caindo por terra surgindo um novo conceito chamado de diagrama político. Este diagrama determina, com base nos seus valores qual é o grau de liberdade econômica que você deseja e qual o grau de liberdade social que você deseja.

Com base neste conceito podemos segmentar pessoas diante do pensamento político, algo que define a forma como enxergamos o mundo, e por consequência como nos relacionamos com as outras pessoas em nosso dia a dia. Um exemplo simples do cotidiano seria na posição de um chefe se você contrataria um homossexual. Em uma situação como essa seus valores falariam mais alto e com isso você iria se apoiar no pensamento ideológico.

Porém infelizmente boa parte de um pensamento ideológico agregou diversos valores para si. Esse pensamento é o socialismo. Vários aspectos da vida cotidiana que estão ligados a liberdade das pessoas fazerem o que desejarem foram abarcados pelo socialismo contemporâneo. Dessa forma, pessoas que defendem a legalização da maconha ou casamento entre pessoas de mesmo sexo são chamados de “esquerdistas” ou “petralhas”, mesmo não sendo de esquerda. Assim vemos uma divisão do pensamento social por base na ideia econômica de mundo, algo que é equivocado.

Para determinar quem é liberal de quem não é basta analisar o ponto de vista social, deixando o ponto de vista econômico em outro plano. Por este motivo vemos “liberais de esquerda” e “liberais de direita”, agora os dois são liberais. Ambos querem maior liberdade para as pessoas, porém com pensamentos econômicos diversos.

Os movimentos liberais

Enquanto que para pessoas de torna mais fácil catalogar, para partidos ou movimentos de torna mais complexo. Até porque são formados por grupos de pessoas, e como cada pessoa pode pensar diferente uma da outra…Quando falamos em grupos, partidos ou movimentos, normalmente dividimos estes em esquerda e direita, ou seja do ponto de vista econômico.

Acontece que o ponto de vista social é decorrente da visão de mundo de uma pessoa em particular, ficando complicado analisar a visão de mundo de grupos. No entanto, quando vemos grupos coesos, podemos classificar estes no aspecto social, de acordo com as pautas que defendem. Nesse aspecto é que está a questão.

Com o advento da ruptura do establishment, diversos grupos que se denominam liberais apoiaram notoriamente políticos que tem ideias conservadoras. Isso porque levaram em consideração somente o aspecto econômico e esqueceram as pautas sociais que defendiam.

É lógico que a defesa de aspectos econômicos se torna mais simples a compreensão por parte da grande população. Ainda assim se torna mais conveniente por parte destes grupos dialogar aspectos sociais com quem pensa igual na questão econômica pois ela é uma ciência exata. Por este motivo vemos movimentos como MBL e apoiadores de Bolsonaro aplaudindo a vitória de Donald Trump. Acontece que se torna mais simples dialogar com potenciais iguais. Mas é exatamente aí que mora o perigo.

A vida em sociedade é mais simples do que se imagina. Todos nós nos preocupamos em comer, vestir, ler, estudar, namorar, comprar. Nada disso está relacionado com o aspecto econômico do sentido “direita e esquerda”. Podemos usar como exemplo a compra de um smartphone. Você pode até ficar indignado com o preço dele, culpar os impostos, mas se desejar o produto irá comprá-lo. Ou seja, a vida não se resume somente ao fato de liberdades econômicas e sim de liberdade sociais.

Os movimentos liberais se perdem na defesa de políticos tradicionais notoriamente pretensos a suprimir as liberdade sociais das pessoas. Ao suprimir as liberdades sociais, o papel do estado se torna gigantesco, coordenando e controlando a vida em sociedade das pessoas. Assim uma simples ação de comprar um smartphone pode ser rotulada de outra maneira.

Qualquer ação que o ser humano execute passa por um aspecto social, ou seja, por algo relacionado com os valores que lhe são atribuídos. Estes valores determinam os mercados, até mesmo porque o ato de comprar e vender está ligado ao desejo e a necessidade. Assim, o alinhamento de movimentos liberais com o conservadorismo tente, no futuro, a dar errado.

O caminhar da conveniência

Sabendo que o consumo é fruto da liberdade em o ser humano escolher, estar ao lado de pretensos políticos conservadores demonstra que alguns dos movimentos populares estão mais pretensos a obter as benesses do poder. Estão acreditando na ideia que os pensamentos econômicos que os une poderão ser fruto de uma divisão igualitária de espaços no âmbito social. Querem estar próximos ao poder, se usufruindo da mesma máquina, que em tese querem combater. Esperam transformar o sistema de dentro para fora.

Entretanto isso já foi provado que não acontece dessa forma. As eleições municipais de 2016 e a vitória de Trump demonstram que a quebra de paradigmas ocorre de fora para dentro, e com uma velocidade assombrosa. As pessoas estão desacreditadas, desiludias, desamparadas. Isso tudo devido a preocupação costumas por governantes aos aspectos econômicos da vida, levando somente isso em voga. Com os aspectos sociais deixados de lado ocorreram doutrinações, caminharam para a regulamentação do pensamento, o politicamente correto.

Abraçar políticos notoriamente conservadores (ou nacionalistas) torna o pensamento liberal mais fraco, pois divide todos liberais pela linha econômica. Essa divisão empurra mais para a esquerda o pensamento crítico, os criadores de opinião, aqueles que fomentam a construção do conhecimento. Exemplo cabal disso são as ocupações nas escolas. Alunos são orientados por professores que não observam, de igual forma os aspectos sociais, comprometendo assim todo o sistema educacional.

Dessa forma alguns movimentos populares estão se usufruindo da vitória de Trump para mostrar seu desprezo com relação a mídia tradicional, entretanto se utilizam fortemente de apoiadores de Jair Bolsonaro no intuito de arregimentar espaço dentro do novo establishment da polítca brasileira: a “nova direita”.

Diante disse a nova direita, que defende aspectos econômicos em detrimento de aspectos sociais está se aliando a quem convier para continuar a obter apreço popular, daqueles que não sabem ao certo o que seria um país com uma pessoa conservadora nacionalista no comando. Claramente querem dizer que estão ao lado de quem governa, esquecendo das pessoas, a quem elas diziam defender e libertar.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *